sábado, 22 de fevereiro de 2020

"Primeiro Amor" (1996)


No dia 27 de Maio de 1996, estreou na RTP a telenovela "Primeiro Amor", que foi a sexta produzida pela então NBP para o canal e que na altura fracassou nas audiências, mas na última década tem sido resgatada do esquecimento devido às suas reposições na RTP Memória.


Da autoria de Manuel Arouca, "Primeiro Amor" foi uma telenovela que eu vi pela primeira vez numa dessas reposições em 2008, quando eu tinha 18 anos, e fiquei fã de imediato. O belíssimo cenário de Sintra foi a escolha perfeita para a abordagem sobre a tradição e o progresso e os anos 90 foi, na minha opinião pessoal, a altura adequada para retratar a corrupção futebolística, pois hoje em dia era impossível retratar numa telenovela um tema controverso como este. No que toca ao elenco, eu tenho que destacar as inesquecíveis duplas Eurico Lopes/Susana Vitorino e Pedro Górgia/Patrícia Tavares que, para mim, ajudaram a elevar o tom romântico e jovial de "Primeiro Amor". O genérico de "Primeiro Amor", que foi protagonizado por Carla Salgueiro e Juan Soutullo, ainda hoje é um dos meus favoritos.

Manuela Maria ("Elvira") & José Gomes ("Artur "Bolas" Pinto")
Susana Vitorino ("Rita Cruz") & Eurico Lopes ("Carlos Filipe")
Luís Esparteiro ("Gonçalo Mendes Ferreira") & Rita Salema ("Vitória Silvério")
Susana Vitorino ("Rita Cruz") & Vera Alves ("Guida Cruz")
Patrícia Tavares ("Alexandra "Xana" Gonçalves") & Pedro Górgia ("Benjamim "Benjas" Silvério")
"Primeiro Amor" tem um lugar muito especial no meu coração. É uma telenovela de verão completamente inofensiva, que nos faz sentir bem ao vê-la, com boas e carismáticas personagens, e cria um bom equilíbrio entre o tom romântico e jovial e a abordagem de temas mais complexos. E esse bom equilíbrio é, provavelmente, a maior força de "Primeiro Amor".

Maria Dulce ("Piedade Silvério")
Filipe Ferrer ("Daniel Cruz")
Henriqueta Maya ("Maria Helena Cruz")
Manuel Cavaco ("Rogério Gonçalves")
Sofia Alves ("Catarina Matos")
Ana Brito e Cunha ("Rosário")
Paula Pais ("Adélia")
Nicolau Breyner ("Vítor Morais")


Mário Lisboa

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2020

"Para Além da Memória"


Estreia hoje (13 de Fevereiro) nos Cinemas City de Alvalade, Leiria e Setúbal, a longa-metragem "Para Além da Memória", que foi escrita e realizada por Miguel Babo e com um elenco que inclui o próprio Miguel, Lídia Franco (https://mlisboaentrevista.blogspot.com/2012/10/mario-lisboa-entrevista-lidia-franco.html), Gabriela Moreyra, Teresa Côrte-Real (https://mlisboaentrevista.blogspot.com/2012/01/mario-lisboa-entrevista-teresa-corte.html), Álvaro Faria, Ângelo Torres, João Damasceno, Joaquim Guerreiro e Carolina Pascoal.

                                             
Premiada em vários festivais internacionais, "Para Além da Memória" evoca as presenças e ausências de uma doente de Alzheimer, envolta numa profunda trama de sentimentos, paixões e traições e que procura juntar o drama e o humor, sempre presentes na vida.

Após a morte do seu irmão (João Damasceno) ocorrida em circunstâncias suspeitas, Alexandre (Miguel Babo), escritor, divorciado e pai de três filhas, vê-se encurralado com as dívidas deixadas pelo mesmo. Perante a necessidade de proteger a casa dos pais, onde residem os resquícios de memória da mãe (Lídia Franco) que sofre de Alzheimer, decide pedir ajuda a um amigo (Álvaro Faria), ministro, para lidar com as comprometedoras dívidas do irmão para com um indivíduo (Ângelo Torres) relacionado ao mais alto nível com os governos português e angolano. Numa confusa sucessão de ligações conhece Laura (Gabriela Moreyra), uma stripper, que acaba por ser moeda de troca nesta relação de dívidas, comprometimentos sentimentais e familiares.

Lídia Franco
Lídia Franco & Teresa Côrte-Real
Gabriela Moreyra
Miguel Babo & Gabriela Moreyra
Ângelo Torres
A equipa de "Para Além da Memória".
Mário Lisboa

sábado, 25 de janeiro de 2020

"Autobiografia Autorizada"


Atualmente está em cena no Teatro Sá da Bandeira no Porto, o espetáculo "Autobiografia Autorizada", que é escrito, co-encenado e protagonizado por Paulo Betti e está em digressão por Portugal até Março.


Estreado originalmente no Brasil em 2015, "Autobiografia Autorizada", que marca a celebração dos 40 anos de carreira de Paulo Betti, foi construído pelo próprio que se inspirou nos textos e nas colagens que escreveu durante a adolescência, e ainda nas colunas de opinião semanais que escreveu durante quase 30 anos para o Jornal Cruzeiro do Sul, de Sorocaba, a cidade no interior de São Paulo onde cresceu. É uma amálgama do Brasil profundo, inspirada pela inusitada história de superação de Paulo Betti e percorre um trajeto impressionante entre a ruralidade e o urbanismo que marcam a sua própria vida, recuando à vaga de imigração italiana no Brasil que teve o seu ápice no período entre 1880 e 1930.




Fotografias: Mauro Kuri

Mário Lisboa

sexta-feira, 15 de novembro de 2019

"A Casa de Bernarda Alba" no Auditório Municipal Eunice Muñoz até 21 de Dezembro


Atualmente está em cena no Auditório Municipal Eunice Muñoz em Oeiras até ao próximo dia 21 de Dezembro, a peça "A Casa de Bernarda Alba", de Federico Garcia Lorca, encenada por Celso Cleto e protagonizada por Filomena Gonçalves (https://mlisboaentrevista.blogspot.com/2016/07/mario-lisboa-entrevista-filomena.html), Estrela Novais, Ana Catarina Afonso, Catarina Mago, Diana Marquês Guerra, Helena Veloso, Isabel Leitão, Rita Cleto e Sara Gonçalves (https://mlisboaentrevista.blogspot.com/2015/01/mario-lisboa-entrevista-sara-goncalves.html).

Celso Cleto, Filomena Gonçalves, Estrela Novais, Ana Catarina Afonso, Catarina Mago, Diana Marquês Guerra, Helena Veloso, Isabel Leitão, Rita Cleto, Sara Gonçalves
Estreada no passado dia 6 de Novembro, "A Casa de Bernarda Alba" foi a última obra teatral de Federico Garcia Lorca, que terminou dois meses antes do seu falecimento em 1936 e foi representada pela primeira vez na Argentina em 1945. Bernarda Alba (Filomena Gonçalves), viúva e mãe de 5 filhas, vive encerrada na sua casa num profundo luto, tentando defendê-las de tudo e de todos, incutindo-lhes as regras e os valores que aprendera em casa do seu pai e de seu avô. 

Filomena Gonçalves, Estrela Novais, Ana Catarina Afonso, Catarina Mago, Diana Marquês Guerra, Helena Veloso, Isabel Leitão, Rita Cleto, Sara Gonçalves
Filomena Gonçalves
Filomena Gonçalves & Estrela Novais
Estrela Novais & Ana Catarina Afonso
Ana Catarina Afonso
Estrela Novais & Diana Marquês Guerra
Diana Marquês Guerra
Diana Marquês Guerra & Catarina Mago
Filomena Gonçalves, Helena Veloso, Rita Cleto, Catarina Mago
Filomena Gonçalves, Isabel Leitão, Ana Catarina Afonso, Sara Gonçalves, Helena Veloso, Diana Marquês Guerra

Mário Lisboa

sexta-feira, 8 de novembro de 2019

"As Cadeiras" no Teatro do Bairro até 10 de Novembro


Atualmente está em cena no Teatro do Bairro em Lisboa até ao próximo dia 10 de Novembro, a peça "As Cadeiras" de Eugène Ionesco, encenada por António Pires e protagonizada por Carmen Santos (https://mlisboaentrevista.blogspot.com/2012/12/mario-lisboa-entrevista-carmen-santos.html), Luís Lima Barreto e Rafael Fonseca.


Estreada no passado dia 23 de Outubro, "As Cadeiras" é a terceira peça de Eugène Ionesco, originalmente publicada em 1953, e é sobre um casal de velhos de 94 e 95 anos (Carmen Santos e Luís Lima Barreto), que vivem isolados numa casa situada numa ilha batida pelas vagas. Para alegrar a solidão e o seu amor fora do comum, repetem incansavelmente as mesmas histórias. Mas o velho homem, autor e pensador, possui uma mensagem universal que quer comunicar à humanidade. Para esse grande dia, reuniu eminentes personalidades do mundo inteiro. Um orador profissional (Rafael Fonseca) será encarregado de traduzir os seus pensamentos. Os convidados, invisíveis para o espectador, chegam como se fossem fantasmas e tomam lugar em cadeiras que invadem pouco a pouco o espaço, até o saturar. O casal sai da sala e deixa ao orador a tarefa de esclarecer a humanidade. Mas, para cúmulo da ironia, o orador é afinal um surdo-mudo. 

Carmen Santos & Luís Lima Barreto
Carmen Santos & Rafael Fonseca
Carmen Santos
Luís Lima Barreto
Fotografias: Miguel Bartolomeu 

Mário Lisboa

domingo, 18 de agosto de 2019

"Amar o Mar" por Maria Antónia Jardim/A. Sinai


2019 é o ano do 100º Aniversário da escritora e poetisa Sophia de Mello Breyner Andresen (1919-2004) e a propósito dessa efeméride, a pintora alquimista Maria Antónia Jardim/A. Sinai (https://mlisboaentrevista.blogspot.com/2015/01/mario-lisboa-entrevista-maria-antonia_7.html), que desde 2008 transforma os seus quadros em jóias e tem em Sophia de Mello Breyner Andresen como uma inspiração na sua vida, criou "Amar o Mar", uma jóia que é um símbolo do amor de Sophia pelo mar e que teve a sua primeira apresentação na Cooperativa Árvore no Porto no passado dia 30 de Maio, depois foi apresentada na Fundação Casa de Macau em Lisboa no passado dia 25 de Junho, e agora vai ser apresentada em Bruxelas no próximo dia 26 de Setembro, com a presença da sua criadora e da professora catedrática Isabel Ponce de Leão.


Mário Lisboa

sábado, 17 de agosto de 2019

"Troianas"


Termina hoje (17 de Agosto) nas Ruínas do Convento do Carmo em Lisboa, o espetáculo "Troianas", de Eurípides, com tradução de Luísa Costa Gomes, encenação de António Pires e um elenco que inclui Maria Rueff, Alexandra Sargento, Sandra Santos (https://mlisboaentrevista.blogspot.com/2012/01/mario-lisboa-entrevista-sandra-santos.html), Vera Moura, João Barbosa, Hugo Mestre Amaro e Francisco Vistas.


Estreado no passado dia 31 de Julho, "Troianas" é hoje, como no século V A.C. quando foi escrita e representada, o grande lamento sobre a tragédia da Guerra e das suas consequências eternas: a destruição, a morte, a perda, a servidão, o exílio, a errância. Tróia foi invadida pelos exércitos gregos, conquistada, incendiada. Diante das suas muralhas em chamas, as troianas escravizadas e Hécuba (Maria Rueff), a sua Rainha, esperam ser levadas pelos seus novos senhores para a Grécia. Choram os seus mortos e o seu destino injusto. Helena (Vera Moura), também cativa, será levada de novo a Esparta e continuará a reinar. Hécuba perdeu tudo: os filhos, o marido, o seu país. E é sobre a fundamental injustiça da guerra que os humanos cometem por motivos triviais que Eurípedes constrói a sua tragédia.

Maria Rueff ("Hécuba")
Vera Moura ("Helena de Esparta")
Maria Rueff ("Hécuba") & Alexandra Sargento ("Cassandra")
Hugo Mestre Amaro ("Poseidon")
Mário Lisboa